domingo, 4 de dezembro de 2016

O ritmo

A fechar a trilogia da (minha!) geografia do sagrado: Arrábida (antes de ontem), Sintra (ontem) e Mont'santo (hoje)...

Pedro Cuiça © Mont'santo (Lisboa, 4/12/2016)

Pedro Cuiça © Mont'santo (Lisboa, 4/12/2016)

Na Caminhada Chi Kung (Chi Kung Walking) costumamos explorar a (re)ligação à Natureza – ao meio envolvente e ao si – com base em elevados níveis de atenção à visão, ao tacto, à audição, ao olfacto e, quando possível, ao paladar. A tentativa de atenção plena a cada um dos sentidos é feita com base numa caminhada lenta e de cadência constante. De certo modo trata-se de uma iniciação à «ciência do concreto», sem sugestões ou persuasões, assente na tentativa de vivência desperta dos sentidos. 
Hoje fizemos um up-grade da “coisa” ao explorar, desde logo, a vivência intensificada e simultânea de vários sentidos (com especial incidência na visão, audição e olfacto), juntamente com a implementação de diversificados ritmos, desde o estar parado, a cadências lentas e acelerações harmoniosas. A fenomenologia do ritmo faz parte da vivência do corpo, do meio envolvente, do todo: a marcha, a respiração, os batimentos cardíacos, as oscilações da vegetação ou a chuva que marcou todo o percurso.

Pedro Cuiça © Mont'santo (Lisboa, 4/12/2016)

Pedro Cuiça © Mont'santo (Lisboa, 4/12/2016)


«Il n’y a pas de movement sans rythme.»

«There is no movement without rhythm.»


Sem comentários:

Enviar um comentário