quinta-feira, 26 de abril de 2018

A Inacabável Cruzada


Armando Romanelli de Cerqueira © Don Quijote 



«Caballero que hizo reír a todo el mundo, pero que nunca soltó un chiste. Tenía el alma demasiado grande para parir chistes. Hizo reír con su seriedad.»
 Miguel de Unamuno

(…) ¿no crees que se podría intentar alguna nueva cruzada?
Pues bien, sí; creo que se puede intentar la santa cruzada de ir a rescatar el sepulcro de Don Quijote del poder de los bachilleres, curas, barberos, duques y canónigos que lo tienen ocupado. Creo que se puede intentar la santa cruzada de ir a rescatar el sepulcro del Caballero de la Locura del poder de los hidalgos de la Razón.
(…) Y esta santa cruzada lleva una gran ventaja a aquellas otras santas cruzadas de que alboreó una nueva vida en este viejo mundo. Aquellos ardientes cruzados sabían dónde estaba el sepulcro de Cristo, dónde se decía que estaba, mientras que nuestros cruzados no sabrán dónde está el sepulcro de Don Quijote. Hay que buscarlo peleando por rescatarlo.
(…) Empieza, pues, amigo, a hacer de Pedro el Ermitaño y llama a las gentes a que se te unan, se nos unan, y vayamos todos a rescatar esse sepulcro que no sabemos dónde está.
Verás cómo así que el sagrado escuadrón se ponga en marcha aparecerá en el cielo una estrella refulgente y sonora, que cantará un canto nuevo en esta larga noche que nos envuelve, y la estrella se pondrá en marcha en cuanto se ponga en marcha el escuadrón de los cruzados, y cuando hayan vencido en su cruzada, o cuando hayan sucumbido todos –que es acaso la manera única de vencer de veras–, la estrella caerá del cielo, y en el sitio en donde caiga allí está el sepulcro. El sepulcro está donde muera el escuadrón.
Y allí donde está el sepulcro, allí está la cuna, allí está el nido. Y allí volverá a surgir la estrella refulgente y sonora, camino del cielo.
(…)¿Qué quieres decir com esto? –me preguntas más de una vez–. Y yo te respondo: –¿Lo sé yo acaso?
İNo, mi buen amigo, no! Muchas de estas ocurrencias de mi espíritu que te confío ni yo sé lo que quieren decir, o, por lo menos, soy yo quien no lo sé.
(…) En marcha, pues. Y ten en cuenta no se te metan en el sagrado escuadrón de los cruzados bachilleres, barberos, curas, canónigos o duques disfrazados de Sanchos. No importa que te pidan ínsulas; lo que debes hacer es expulsarlos en cuanto te pidan el itinerario de la marcha, en cuanto te hablen de programa, en cuanto te pregunten al oído, maliciosamente, que les digas hacia dónde cae el sepulcro. Sigue a la estrella. Y haz como el Caballero: endereza el entuerto que se te ponga delante. Ahora lo de ahora y aquí lo de aquí.
İPoneos en marcha! ¿Que adónde vais? La estrella os lo dirá: İal sepulcro! ¿Qué vamos a hacer en el camino mientras marchamos? ¿Qué? İLuchar!
(…)İEn marcha, pues! Y echa del sagrado escuadrón a todos los que empiencen a estudiar el paso que habrá de llevarse en la marcha y su compás y su ritmo. Sobre todo, İfuera con los que a todas horas andan con eso ritmo! Te convertirían el escuadrón en una cuadrilla de baile, y la marcha en danza. İFuera con ellos! Que se vayan a outra parte a cantar a la carne.
Esos que tratarían de convertirte el escuadrón de marcha en cuadrilla de baile se llaman a sí mismos, y unos a los otros entre sí, poetas. No lo son. Son cualquier outra cosa. Esos no van al sepulcro sino por curiosidad, por ver cómo sea, en busca acaso de una sensación nueva, y por divertirse en el camino. İFuera com ellos!
Esos son los que com su indulgencia de bohemios contribuyen a mantener la cobardía y la mentira y las miserias todas que nos anonadan.
(…) Procura vivir en continuo vértigo pasional, dominado por una pasión cualquiera. Sólo los apasionados llevan a cabo obras verdaderamente duraderas y fecundas.
(…) Te consume, mi pobre amigo, una fiebre incesante, una sed de océanos insondables y sin riberas, un hambre de universos, y la morriña de la eternidad. Sufres de la razón. Y no sabes lo que quieres. Y ahora, ahora quieres ir al sepulcro del Caballero de la Locura y deshacerte allí en lágrimas, consumirte en fiebre, morir de sed de océanos, de hambre de universos, de morriña de eternidad.
Ponte en marcha, solo. Todos los demás solitarios iran a tu lado, aunque no los veas. Cada cual creerá ir solo, pero formaréis batallón sagrado: el batallón de la santa e inacabable cruzada.
[UNAMUNO, 2005: 142-151]

Armando Romanelli de Cerqueira © Don Quijote (1974)


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
UNAMUNO, Miguel de. Vida de Don Quijote y Sancho. Madrid: Catedra – Letras Hispanicas, 2005, 6ª ed., pp. 544. ISBN 84-376-0736-1

domingo, 22 de abril de 2018

Training Standards


© Laura Samsó

A Comissão de Montanhismo da UIAA – União Internacional das Associações de Alpinismo – realizou, nos dias 21 e 22 de Abril, uma reunião de trabalho em Lisboa. Uma oportunidade única para constatar diversas perspectivas e pontos de convergência a nível dos modelos de formação, das metodologias de ensino e das opções técnicas adoptadas em diversos países. A reunião contou com a presença de membros do Canadá, Catalunha, Chipre, Espanha, França, Grã Bretanha, Hungria, Japão, Sérvia e Portugal. Na qualidade de anfitriã, a Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal (FCMP) iniciou os trabalhos com uma apresentação sobre o seu modelo de formação – mormente de Treinadores e de Técnicos Especialistas – e o enquadramento legal em vigor no país.

© Alexandra Osório

sábado, 21 de abril de 2018

Pássaros Voam

...voam e também andam

«Entre. Respire e ganhe asas para voar.
A presente exposição de Ruben Art, feita de inquietação e premência, reúne um conjunto de obras com uma temática comum e recorrente.
A cor, pura e decidida, fixa no espaço a memória ancestral e mitológica, ao mesmo tempo que cada traço abre uma nova e renovada oportunidade de leitura.
Anunciando e anunciando-se, o pássaro, elemento fulcral da obra, mensageiro dos deuses, símbolo de leveza e liberdade, liga a terra e o céu, não através do voo, mas através do próprio olhar.»
(texto d’A Exposição Pássaros voam)

Ruben Art ©  Escultura Verde - Walk Like a Blackbird


A primal experiência perceptiva numa primeira aproximação. A visualização imediatista das diversas peças expostas numa fulcral abertura às emoções. A busca da mera imagem eidética ausente, dentro do possível, de associações mentais e, daí, preservada de contaminações simbólicas. Só depois, numa segunda volta, a abertura à livre interpretação do simbolismo. A combinação de formas e de cores despoletam emoções mas também encerram significados. Será essa transferência simbólica da emoção que permitirá definir este tipo de arte?
Pintura esquemática de realidades imaginais expressas através da simplificação e/ou da unidade do efeito principal. Arte simbólica que indiciará uma tendência de progressão do “esquema” na direcção da abstracção ou, quiçá, daí recorrente. Um voo para fora da realidade, para novas ou renovadas realidades. Um domínio notável do absoluto, através da manipulação de elementos fundamentais da estrutura do universo físico, numa pureza mística reiteradamente sob a forma de pássaros, por vezes à lua. É esta tensão entre o realismo esquemático e o abstracionismo, enquanto derivados da natureza, que surge sob a forma pura ou essencial, despida de elementos acessórios.
O facto de sinais concretos poderem exprimir estas imagens – composições de linhas, cores, volumes, etc. – não implica a não utilização da palavra abstracto. Serão esses intensos elementos, de forma e cor, que conferem a estas obras de arte o seu poder estético. Esta nossa leitura resulta não só do produto final expressivo, mas também das origens e dos processos da sua criação que deduzimos; estádios que não deverão ser separados, a nosso ver, numa obra de arte. Nas palavras de Ruben, a sua arte é uma «simbiose do expressionismo alemão com a cultura pop e de rua (grafitti
Impressionante é também a vivacidade das cores e a sua abordagem. Aqui não estamos perante a harmonia ou o confinamento a um conjunto de cores restrito, nem sequer “dependentes” de um tom dominante. O surpreendente segredo residirá no aglomerado vibrante de oposições primárias, revelando mais a riqueza da saturação do que a subtileza da transição. Cores separadas ou até extravasando os intensos e salientes traçados negros das formas.
O contraste entre o vitalismo manifesto nos títulos das obras, sobre os actos/acções de voar e de andar, e as estáticas representações dos pássaros também despertou a nossa atenção. Tal remeterá, mais uma vez, para a arte geométrica, de formas invariavelmente rígidas: aquilo que, ao fim ao cabo, Wilhelm Worringer (1881-1965), identificou como “tendência para a abstracção”. Esta tendência para o abstracionismo de Ruben, a que já tínhamos aludido, ao invés de divagar em torno de experimentalismos livres, trata-se todavia de um estilo pictórico de uma uniformidade – na diversidade – e coerência notáveis. Coerência, desde logo, na temática tendo por elemento base “o pássaro”, com destaque para o black bird, ademais de um estilo muito próprio.
A arte, digna desse nome, implica sempre um acto de criação original: a invenção de uma realidade que antes não existia. A função essencial da arte manifestar-se-á, portanto, num padrão efectivo, resultante da intuição pessoal do artista, que não constituirá expressão estética coerente antes de este ter encontrado a sua forma expressiva. A arte é portanto muito mais do que o processo técnico de utilização de meios através dos quais se reproduz ou representa: o quê? A arte tem por fim revelar não o objecto em si mesmo mas o significado que passa a assumir quando um olhar singular sobre ele pousa. O enorme olhar que cada pássaro retribui a quem o vê também revelará um outro sentido/significado ao/do próprio observador? Vão e vejam!
Esta é uma exposição a visitar e a revisitar, a ver e rever. E não é certamente porque os pássaros também andam, o que muito nos apraz…

Ruben Art ©

INFORMAÇÕES
Local: Edifício 4 de Outubro – Rua da República nº 70, Loures
Período de exposição: 19 de Abril a 30 de Junho de 2018
Horário: terça a sexta-feira (10.00-12.00/13.00-18.00) e sábados (9.00-14.00); encerra aos domingos, segundas e feriados
Entrada Gratuita

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Pedifesto Eco-lógico


Estarei no Mãe Natureza,Terra Viva – Colóquio Internacional, dia 15 de Maio, para apresentar Pedifesto Eco-lógico: passo a passo da teoria à prática.
Pedifesto eco-lógico é uma espécie de manifesto às avessas, sobre como passar de ecologismos teóricos à concretização de eco-acções directas, em três actos: (1) Eco-locação, (2) Eco-lógica e (3) Eco-activismo. Às avessas porque também ou frequentemente de pernas para o ar – que o mesmo será dizer de pés no Céu – e talvez por isso de mãos na Terra, e/ou vice-versa, de modo a possibilitar perspectivas ousadas e pontos de vista invulgares.


Eco-locação porque é fundamental posicionar-se para navegar – onde estou, para onde vou? – na vastidão do tempo e do espaço, do infinitamente grande ao infinitamente pequeno, da geo-história ao Antropocénico, da Terra viva e do ser terráqueo, do passado e do futuro, do aqui e agora.
Eco-lógica ou d’o ecologismo especulativo assente no pensar global: numa abordagem abrangente do vasto condomínio que é o planeta Terra, mas também da globalidade das diversificadas (inter)relações (eco)sistémicas que conduzem a uma visão holística, reverencial e inclusiva, de profundo respeito pelo outro.
Eco-activismo ou d’o ecologismo operativo expresso no agir local: a cognição corporificada ou encarnada na acção directa, na justa medida da mestria do ser paradoxal, por exemplo ao caminhar estando parado ou fazer não fazendo. Uma prática ancorada na simplicidade, humildade e até na renúncia, e expressa através de belos pequenos/grandes actos que importam, como AMAR/Respeitar a sacralidade de todos os Seres ou Cultivar o maravilhamento, as anDANÇAs e os enCANTAmentos…
Como fio condutor o caminhante que ao caminhar se transforma no próprio caminho e, ao fazê-lo, se cumpre naturalmente/Natureza num sentido/sentir não só metafórico mas também concreto. E mais além?...


Não te esqueças de fazer o pino e, 
olhando os pés, ver as estrelas…


quarta-feira, 18 de abril de 2018

Colóquio Internacional


Mãe Natureza, Terra Viva

A Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa vai acolher, nos próximos dias 14 e 15 de Maio, o colóquio Mãe Natureza, Terra Viva. Mais uma importante iniciativa do Grupo Praxis/Seminário Permanente Vita Contemplativa dessa faculdade, no âmbito da ecologia espiritual, ecosofia e ecologia profunda, desta feita sobre o que fazer perante a crise ambiental. Este colóquio internacional vai reunir investigadores, artistas e amantes da Natureza e da Terra, de várias formações, para transmitirem perspectivas alternativas de resolução da actual crise ambiental, mais além dos «impotentes paliativos» do ambientalismo convencional.


«Estamos em pleno Antropoceno, uma idade da Terra marcada pelo inédito impacto das acções humanas na destruição crescente da Natureza e da biodiversidade, nas alterações climáticas e no esgotamento e contaminação dos recursos naturais. (…) Constata-se assim que a abordagem predominante da crise ambiental – com base na filosofia teórica, nas ciências do ambiente, na ética ambiental antropocêntrica, na política, na economia e num activismo meramente reactivo – não tem tido, pesem todos os seus imensos contributos positivos, o efeito necessário, seja nos centros de decisão, seja na consciência das populações. Não parece, na verdade, que estas abordagens tenham apontado o fundo da questão, que porventura se prende com uma percepção fundamentalmente errada da natureza da realidade, em que o ser humano se vê como separado dos demais seres vivos e do fundo comum que designa como Terra, Mundo, Vida ou Natureza. A crise ambiental é reflexo da crise multidimensional da contemporaneidade e pode efectivamente ter a sua origem radical numa crise de percepção da interdependência e relação profunda que existe entre tudo e todos, numa distorção ou obscurecimento da consciência, não reconhecida por muito do ambientalismo ou ecologismo superficial.
Perante isto, cabe investigar o que têm a espiritualidade, as religiões, as tradições contemplativas e religiosas, a ciência holística e a experiência contemplativa e estético-artística, independentemente de qualquer filiação espiritual ou religiosa, a dizer sobre a realidade profunda do que se designa como Natureza e Terra e sobre o sentido da nossa relação com elas. Importa aprender com as tradições e os seres humanos que percepcionam a Natureza como sagrada, como manifestação divina ou Realidade última, importa aprender com as tradições e os seres humanos que, mais do que pretenderem conhecer ou servir-se da Terra, a experienciam como aparição e epifania, no regime do maravilhamento e espanto contemplativos e celebrativos e não na perspectiva fragmentada filosófico-conceptual ou científico-tecnológica. Importa aprender com outras matrizes culturais, que vivem em harmonia com a Natureza e que estão menos contaminadas pelo dualismo sujeito-objecto em vigor no regime de consciência dominante na cultura europeia-ocidental hoje globalizada. É o que se propõem a ecologia espiritual, a ecosofia e a ecologia profunda, por contraste com abordagens mais convencionais e superficiais, que como é natural não estão a fazer parte da solução.
»



PROGRAMA
14 de Maio
· 9.30 – Abertura
· 10.00-11.30
Joana Miranda – Ressacralização da Natureza – contributos do shamanismo essencial
Alcide Gonçalves – Para uma melhor compreensão Homem-Natureza: uma proposta Taoísta
Jorge Moreira – A Emergência da Ecologia Espiritual
· 11.30-13.00
José Pinheiro Neves – Das metatopias urbanas como formas de uma cidade ecosófica
Mafalda Blanc – Viragem epocal: uma possibilidade para o pensar
Alina Jerónimo – A Arquitetura como elemento de ligação entre o ser humano e a Natureza
· 14.30-16.00
Alexandra Lima Gonçalves Pinto – Cinema e Consciência: Visões da Terra
Susana Lourenço – Arte e Consciência: formas de comunicação e colaboração com a Natureza
Sara Inácio – O pulsar da criação: 20 minutos, 4 desenhos, 1 escultura e 1 prece
· 16.00-17.30
Rui Lomelino de Freitas – Chamados pelo Coração do Mundo: Hermetismo e a Nova concepção Heliocêntrica da Realidade
Isadora Migliori – Um olhar, a partir da física quântica, sobre a atual crise ambiental
Bruno Antunes – Enlaces Quânticos. “Quantum entanglement” & “spooky action at distance” – a introdução da “assombração” na ordem dos discursos da física subatómica, pela pena de Albert Einstein
· 17.45-18.45
Alexandra Marcelino – Direitos da Natureza e Direitos Humanos. Uma e a mesma causa (apresentação da petição do Círculo do Entre-Ser pelo Reconhecimento de Direitos Intrínsecos à Natureza e a Todos os Seres Vivos)
Maria José Varandas – Esquecimento e memoração. O Papa Francisco e a conversão ecológica
15 de Maio
· 10.00-11.30 
Maria Paula de Vilhena Mascarenhas – Culturas alimentares ecológicas
Maria Luísa Francisco – A Serra Algarvia e as suas dinâmicas eco-espirituais
João Miguel Louro – Permacultura, da técnica a uma visão holística da natureza, na abundância
· 11.30-13.00
Cláudia Martins – Yoga e Consciência ecológica: do Áshrama para o Mundo
Pedro Cuiça – Pedifesto Eco-lógico: passo a passo da teoria à prática. Não te esqueças de fazer o pino e, olhando os pés, ver as estrelas…
Isabel Correia – “A Grande Mudança" – Como estar totalmente presente ao nosso mundo e envolver todos na Transição Climática?
· 15.00-16.30
Paula Morais – O Yoga e o Sámkhya na perspectiva de uma Ecologia cósmica
Daniel José Ribeiro de Faria – O divino, o humano e a natureza: pistas para uma espiritualidade cristã ecológica
Fabrizio Boscaglia – Islão e Ecologia
· 16.30-18.00
Daniela Velho – Corpo Consciência
Jorge Leandro Rosa – As facetas de Gaia no colapso e na extinção. Do mito à metáfora heurística
Paulo Borges – O que é a Terra? Crise Ambiental ou Crise de Percepção?
· 18.30-19.30
Paulo Borges e Daniela Velho – Apresentação do livro Os Animais, Nossos Próximos – Antologia do amor humano aos animais (da Antiguidade a Fernando Pessoa); Edições Mahatma
· 19.30 – Encerramento



INFORMAÇÕES
Organização: Seminário Permanente Vita Contemplativa – Tradições Contemplativas e Cultura Contemporânea – Grupo Praxis do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa
Comissão Organizadora: Paulo Borges, Fabrizio Boscaglia, Paula Morais e Jorge Moreira
Local: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa – Anfiteatro III
Transportes Públicos: Metro – Cidade Universitária; Carris – autocarros 731, 735, 738, 755 e 768; TST (Transportes a Sul do Tejo) – Almada-Cidade Universitária autocarro 176; CP/Fertagus – Entre Campos
Entrada Livre

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Longo Curso



Nos dias 22 e 24 de Maio vamos realizar mais dois workshops de Percursos de Longo Curso sobre (1) progressão rápida e (ultra)leve e (2) gestão do desempenho, saúde e bem-estar. Ambas as abordagens, renovadas e actualizadas, centrar-se-ão em opções, técnicas, metodologias e estratégias a implementar por praticantes de pedestrianismo que pretendam iniciar-se ou melhorar o seu desempenho em percursos de longo curso. No primeiro caso, mediante o incremento da rapidez da progressão, designadamente através da redução significativa do peso do equipamento a transportar, sem prejudicar as necessidades a satisfazer. E no segundo caso, através da implementação de uma adequada preparação física e psicológica, a par de uma apropriada gestão da actividade, no que concerne ao esforço, alimentação/hidratação e lesões.
Mais uma iniciativa, promovida pelo Centro de Formação da Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal/Escola Nacional de Montanhismo (FCMP/ENM), no âmbito das Palestras da Montanha. Ambas as acções de formação contínua são creditadas pelo IPDJ para atribuição de Unidades de Crédito com vista à revalidação do Título Profissional de Treinador de Desporto (TPTD) nas modalidades de Pedestrianismo e de Montanhismo – Graus I, II e III. Para mais informações, consulte o site da FCMP.



quarta-feira, 11 de abril de 2018

Faz tempo


Há bastante [tempo] que não publico imagens das passeatas urbanas que efectuo com regularidade e que designo afectuosamente por “Lisbon Walks”. Tal não se deve certamente ao facto de estas não continuarem a ser estimulantes, por diversos motivos e a vários níveis, bem pelo contrário.  Em regra constituem uma forma de expressão ética, enquanto mobilidade “verde” e “ecológica”, por vezes surgem como retemperadores e terapéuticos walkscapes, outras vezes ainda revelam-se surpreendentes em termos estéticos e possibilitam uma vivenciada acção directa de walking art. Foi o que aconteceu ontem, num trajecto costumeiro e que, contudo, surgiu sob outro tempo e renovadas feições…

Um pouco de céu aqui na terra.
© DR

Fale com os especialistas em percursos urbanos sobre os seus planos de ir andar para a Montanha.
© DR

E umas vezes chove “do bué” e outras nem por isso!
© DR

terça-feira, 10 de abril de 2018

Rezar com os pés


Os estágios dos Cursos de Treinadores começam a dar frutos… Um excelente e gratificante exemplo trata-se do relatório e dossier de estágio que espelham a qualidade, profissionalismo e originalidade do trabalho desenvolvido, ao longo de mais de 12 meses, pelo Mário Amorim, sob o mote “Seis Aparições, Seis Peregrinações”. O trabalho de estágio realizado no ano em que se celebrou o Centenário das Aparições de Fátima (2017), foi efectuado no seio do Clube Infarmed, contou com o apoio da Associação dos Amigos dos Caminhos de Fátima e envolveu um conjunto importante de iniciativas que foram, em parte, divulgadas através do site Ultreya.
A originalidade do trabalho em causa não resulta apenas do plano de estágio proposto, que conjugou a condução de grupos com a formação e o treino de participantes, mas também a concretização de diversas actividades de beneficência. O caminho encetado de interligação das peregrinações com o "treino desportivo" revelou igualmente uma abertura de espírito fora do vulgar em meios tradicionalmente avessos a abordagens pretensamente fora dos cânones! E a quem reste dúvidas sobre essa feliz interligação bastará salientar que o  Mário Amorim costuma iniciar as acções de formação de peregrinos com a frase: Aprendo a rezar com os pés. E isso é Muito...
Fechado este ciclo, novos objectivos se vislumbram. Desta feita, e para o presente ano, as atenções do Mário Amorim estão voltadas para o Caminho de Santiago. Por isso, e muito mais, resta-me desejar-lhe um Bom Caminho, para Santiago e para a Vida, designadamente enquanto Treinador de Pedestrianismo.



A partida


© DR 

Ontem (dia 9 de Abril) tive o grato prazer de proferir uma palestra sobre Formação de Treinadores e Técnicos Especialistas em Desportos de Montanha, no Instituto Universitário da Maia (ISMAI), no âmbito do lançamento da Especialização de Montanhismo e Escalada da Licenciatura de Treino Desportivo. Aquilo que no início da minha intervenção, em jeito de brincadeira, referi ser certamente uma espécie de “partida” da organização e, sem dúvida, um desafio – tendo em conta que se tratou de uma temática de marcado cariz burocrático-administrativo, o "adiantado da hora” e, ademais, ter sido esta apresentada no seguimento de uma interessantíssima e motivacional palestra por parte de um famoso alpinista português –, correu, afinal, muitíssimo bem: a (grande) maior parte da assistência manteve-se e aplaudiu efusivamente no término da mesma :) Bem-hajam!

© DR 

quinta-feira, 22 de março de 2018

Ainda d'a poesia


O meu coração adopta todas as formas:
É pasto para a gazela e cenóbio para o eremita,
Templo para os ídolos e Kaaba para o peregrino,
Tábuas da Tora e livro do Alcorão
Apenas sigo a religião do Amor
Da sua caravana acompanho o trilho
Pois só o Amor tenho por fé e religião.

Ibn Arabi – Múrcia, 1165 (in VICENTE, 2010: 243)

Pedro Cuiça © túmulo do poeta Hâfez (Shiraz - Irão, Out./2017)

«De súbito, a claridade que lentamente vinha invadindo o vale e lhe permitia distinguir, cada vez mais nitidamente, os refinados bordados das teias de aranha entre os ramos dos arbustos nus, perlados com inúmeras gotículas de orvalho, manifestou-se num clarão de luz, quando o astro-rei se mostrou em todo o seu esplendor sobre os picos da Serra de Oden. Nunca se cansava do espectáculo proporcionado pela natureza, a eterna mãe, quando explodia, assim, em borbotões coloridos. Parecia-lhe que todo o conhecimento do universo se concentrava naquele momento, para ser colocado à disposição de quantos o soubessem ler e, então, o peito enchia-se-lhe de ternura por todos os seres, vivos e inanimados.
Terá sido esse sentimento a fazer-lhe recordar as longas conversas que, em torno da fogueira nas noites da Galileia, manteve com o velho sufi Ibn Arabi sobre a essência do Amor, como única via possível de união entre o Homem e Deus. Lembrava agora quão parecidas eram as suas palavras às dos Fideli d’Amore da sua querida Provença, onde a quente língua d’Oc apenas rivalizava com a  [línguados pássaros* nos seus gorgeios cantados.»
[VICENTE, 2010: 17-18]

«Profundos são os desígnios de Deus e longos os caminhos percorridos pelos irmãos da Ordem dos Trovadores. Também eles têm os seus segredos e pela sua linguagem argótica se guardam (…).»
[VICENTE, 2010: 28]

Pedro Cuiça © túmulo do poeta Saadi (Shiraz - Irão, Out./2017)

NOTA
*A língua dos pássaros também apelidada de língua das aves, gaia ciência (gaye science), gaio saber (gay sçavoir) ou língua dos deuses. · É a Luz espiritual da Palavra de Deus, expressa no seu próprio nome, que frutifica através da transformação da alma. É a saudação do anjo que actua sobre a Virgem, matéria prima no seu estado receptivo, essa mulher, mutans Evae nomen, cujo fruto seria entendido como a pedra filosofal, a transmutatio da alma caótica em espelho límpido do Conhecimento. [VICENTE, 2010: 120] · [Vós que ouvistes aquele AVE, da boca de Gabriel, estabelecei-nos na paz,] transformando o nome de EVA (ibidem: 120).

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
VICENTE, António Balcão. O Templário d’El-Rei. Lisboa: Ésquilo, 2010, pp. 430. ISBN 978-989-8092-88-5